Em Portugal tem-se dado cada vez mais importância a este tipo de energia renovável. Em 2008, por exemplo, a capacidade instalada em energia fotovoltaica era de 56,5 MW , tendo-se produzido 38,1 GWh de energia eléctrica nesse ano (correspondente a 0,07% do consumo).

Ao longo do país existem vários parques (ou centrais) fotovoltáicas, tais como o Hércules (instalado na freguesia de Brinches, conselho de Serpa), o da Amareleja (no conselho de Moura) e outras centrais de menor produção.

No caso da Hércules, 52 mil painéis silício monocristalinos preenchem uma área de 64 hectares,  com uma potência instalada de 11MW. Este projecto evitará que sejam libertadas cerca de 19 mil toneladas de dióxido de carbono para a atmosfera.

O parque fotovoltáico da Amareleja é composto por 262 mil painéis fotovoltáicos, apresentado uma potência instalada de 46,41MW. Com tudo isso, será evitada a emissão de 86 mil toneladas de dióxido de carbono para a atmosfera e produzida cerca de 93GWh de energia eléctrica de forma limpa.

.

Em Novembro de 2007, o governo português simplificou o processo licenciamento de microgeração por parte de particulares. Deste modo, qualquer consumidor de energia eléctrica poderá passar a ser produtor e vender o excesso à Rede Eléctrica Nacional. Os Jardins de São Bartolomeu, em Lisboa, são um exemplo disso:  16 unidades de microprodução.

Sem estar enquadradas no regime de Microprodução, algumas quintas dedicadas ao turismo rural também têm recorrido à produção de energia eléctrica com painéis fotovoltáicos, como é o caso da Central Fotovoltaica de Valadas, perto Ferreira do Zêzere, com uma potência instalada de 220 kW e uma produção média anual de 297 339 kWh.

<Energia Solar Fotovoltáica – Como Se Produz?….Vantagens e Desvantagens>